Cadê Paraná

Saiu na Mídia

 

Uma em cada quatro crianças está acima do peso no Paraná (Bem Paraná)

Por Rodolfo Luis Kowalski (Bem Paraná)

Até pouco tempo, as políticas sociais voltadas à infância no Brasil preocupavam-se com o combate à fome e à desnutrição. Hoje, porém, a chave já começa a mudar e o problema é exatamente o oposto daquele que o país enfrentava há algumas décadas: o aumento do excesso de peso. Hoje, inclusive, celebra-se o Dia da Conscientização Contra a Obesidade Mórbida Infantil.

Segundo informações da plataforma digital Crianças e Adolescentes em Dados Estatísticos (CADÊ Paraná), atualmente 27,32% dos jovens paranaenses (0 a 17 anos) estão acima do peso, o que significa que, em média, um em cada quatro crianças ou adolescentes estão tendo de lidar com o sobrepeso no estado. Os dados do CADÊ, obtidos apartir do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), do Ministério da Saúde, revelam ainda que o problema se agrava na medida em que os jovens vão envelhecendo.

Entre as crianças de 0 a 4 anos,por exemplo, 7,8% estão com peso considerado elevado para a idade. Já na faixa de 5 a 10 anos, 32,7% estão acima do peso, sendo que 9,5% já estão obesos e outros 5,8%, com obesidade grave. Por fim, entre os adolescentes (11 a 17 anos), 34,3% estão acima do peso,com o porcentual de obesos em 10,8% e os casos de obesidade grave alcançando 2,7% dessa população.

Segundo a endocrinologista Rosana Bento Radominski, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM-PR),a obesidade pode ser desencadeada por fatores ambientais, biológicos, hereditários e psicológicos. A especialista, contudo, destaca que os hábitos são os principais causadores do problema. “Menos de 5% dos casos são decorrentes de doenças endocrinológicas e a hereditariedade só se manifestará se o ambiente permitir”, explica.

Ainda de acordo com a especialista, os índices de sedentarismo e a alimentação inadequada no ambiente familiar são os principais colaboradores para o crescimento exponencial no número de crianças e adolescentes obesos. “As crianças estão passando muito tempo em frente ao computador e celular e fazendo pouca atividade física”, reforça a médica. “Além disso, é preciso uma mudança de hábitos na alimentação de toda a família para que a criança seja motivada a se alimentar melhor”. A médica ressalta ainda que há poucas opções de medicamentos para auxiliar no emagrecimento infantil. O tratamento é baseado em atividade física e reeducação alimentar.

Aspectos psicológicos devem ser considerados pela família
A família também deve considerar os aspectos psicológicos da obesidade infantil. Segundo os especialistas, conforme o avanço na idade, maior a probabilidade de sofrer preconceito e bullying devido ao excesso de peso. Isso afeta a interação da criança com os grupos, a socialização e pode levar, até mesmo, a um quadro de depressão. “É um círculo vicioso: a criança sofre com a diferença, se isola e tende a praticar menos atividades físicas e compensar a tristeza na alimentação”, revela a endocrinologista.
Outro fator importante a ser observado é se o quadro de obesidade não é decorrente de fatores psicológicos. Muitas vezes, desequilíbrios emocionais e até mesmo casos de abuso sexual desencadeiam a doença. Nesses casos, o acompanhamento de psicólogos e uma equipe multidisciplinar é essencial.

Plataforma do Cadê traz panorama da juventude no Paraná
Na última semana, o Centro Marista de Defesa da Infância relançou oficialmente a plataforma digital Crianças e Adolescentes em Dados Estatísticos (CADÊ Paraná). Criado em 2016, o sistema passou por uma reformulação completa e agora traz dossiês com panoramas de indicadores sobre a infância para cada um dos 399 municípios paranaenses e um mapa sobre os equipamentos públicos que prestam atendimento à infância.
Na última semana, foi divulgado um informe temático sobre trabalho infantil. Já no ano passado, o tema abordado por pesquisadores convidados foi justamente a obesidade infantil. “A obesidade é atualmente um dos agravos mais frequentes da infância. Um dos riscos decorrentes é o desenvolvimento de doenças que podem afetar as condições metabólicas, cardiovasculares, ortopédicas, neurológicas, hepáticas, pulmonares e renais; e ainda as condições crônicas como diabetes e hipertensão, seja em idade adulta ou em idade mais jovem”, diz o documento, disponível no site do CADÊ Paraná (http://www.cadeparana.org.br/).na seção Biblioteca – Publicações.

Vigilância Alimentar e Nutricional – Paraná

Crianças de 0 a 4 anos
Peso adequado ou eutrófico 89,7%
Peso elevado 7,8%
Peso baixo para a idade 1,8%
Peso muito baixo para a idade 0,7%
Crianças de 5 a 10 anos
Eutrofia 64,1%
Sobrepeso 17,4%
Obesidade 9,5%
Obesidade grave 5,8%
Magreza 1,9%
Magreza acentuada 1,3%
Adolescentes (11 a 17 anos)
Eutrofia 63%
Sobrepeso 20,8%
Obesidade 10,8%
Obesidade grave 2,7%
Magreza 2%
Magreza acentuada 0,6%

Leia mais...